30 setembro 2008

"That’s not art"

Josh Azzarella

"The Aesthetics of Terror", uma exposição prevista para Novembro no Chelsea Art Museum foi cancelada.

"An artist has to go one step beyond, and find what are the reasons for terrorism and how one can go ... another way [to] a revolution against terrorism, and not just show very banal photos which we see every day in ... television," "That’s not art."
Dorothea Keeser, Co-fundadora e presidente do CAM

14 comentários:

Anónimo disse...

Esse " an artist has to go" vindo do responsável por um museu nova iorquino dá-me vontade de rir.
E podias ter dito censurada em vez de cancelada.
Z.C

intruso disse...

ui...

quem diz o que é e o que não é?
(como, quando e em que tempo?)

"There isn’t a single work which focuses on dead bodies. It’s not about gore,"
(e se fosse seria necessariamente censurável?)

"Without going into detail, she said the museum was concerned that focusing on terrorism would glorify it."

perguntas e dúvidas... muitas


abraço
(excelente/atento post...)

observatory disse...

pois...

era de esperar.

[A] disse...

o mais intrigante( não posso dizer a palavra que me vem há cabeça) é a senhora achar que as imagens de terrorismo que todos os dias vemos na televisão e imprensa são "very banal"

Haddock disse...

apoiado!!
gosto da cavalheira!!
perdoe-se o duchamp, o senhor do urinol, por dizer que arte é tudo o se quiser, ou qualquer coisa parecida. mas perdoe-se apenas por não ter tido a noção de que podia ser mal interpretado. pois que há imbecis armados em artistas.
e nem vou falar do cão faminto a morrer num sala de exposições qualquer como pseudo símbolo da indiferença humana...
(grandessíssimo FDP, esse gajo!!)
ainda assim, a meu ver - e sou de douta opinião -, arte pode ser quase tudo. mas não, por mero e despreendido exemplo, uma fotografia do meu pé partido (madeira, madeira!): isso seria notícia!! por mais bonito e famoso que fosse - e é!! - o meu pé... ou cotovelo... ou qualquer osso.

mas saíu-lhe mal a adjectivação ou a argumentação, em geral. não fora isso, persuadiria não só os retrógrados mas gente de fino, avançado e tolerante gosto...

tenho dito!

abraço entrecostal rosadinho (i.e., mal passado)!

Bandida disse...

este post dá pano para mangas. há limites? confesso que fiquei à toa...

"an artist has to go one step beyond..." ???
bull shit!! que palavreado mais estúpido vindo de quem vem.

por outro lado há o cão, que arrasou, e fiquei com vontade de pendurar o "artista" em argolas aromáticas de estricnina que lhe fossem pingando para o nariz enquanto eu pedia um bife com batatas fritas.... eu sei lá!....

criaste aqui uma bela duma discussão...

pode ser que ainda se encontrem bombons congelados à espera de fotografias... ou não... e nos adocem a boca...

beijo BB

Anónimo disse...

Reparaste em quem ia participar na exposição?

Jake + Dinos Chapman
Jenny Holzer
Miguel Palma e muitos mais.

E cá não se fala disso?
J.

Anónimo disse...

estas noticias deixam-me sempre cheia de duvidas:
- um curador é o único responsável pela escolha dos artistas, certo?
mas depois recusa-se a assumir os trabalhos que o artista propõe...
(casos destes são o pão nosso de cada dia nas artes contemporâneas - geralmente resolve-se em diálogo entre ambos - porque uma expo comissariada é uma expo dialogada!)

é certo que nem todos os trabalhos de cada artista são bons ou pertinentes, todos falham - artistas e curadores - aliás, uma exposição temática é sempre uma faca de dois gumes: se por um lado apresenta um leque de possibilidades num assunto, por outro restrige possíveis desvios...
se ela não quer assumir possíveis falhas (no entendimento dela, claro) que escolhesse trabalhos já feitos...

e neste caso o artista não fez mais do que seguir o tema, e vamos lá ver: como é que nós nos relacionamos com o terrorismo? é pela tv, pela banalização que a tv imprime a cada imagem, às tantas até era isso que ele queria passar: a banalidade em que o tema se tornou... e ela não gostou! ;)

e no fim quem se lixa são os outros artistas - tenho pena pelo palma.

is disse...

ui...
desculpa o testamento.

Frioleiras disse...

Pois, é por essas e por outras....
que prefiro o Koons...

Pelo menos o kitsch não gera depressões (pelo menos a mim)...

Haddock disse...

...

e enjoo, frioleiras??
até NÓS "nos enjoámos", tal a repetição...



merdinhas, caríssimo, apagai-nos
se nos julgares excessivamente "espaçosos"!!

licopódio disse...

That's not freedom nor responsability.
Vergonhoso, no mínimo.

tolilo disse...

Tio Merdinhas, o teu nome é Augusto?

Chuac!_

Naked Lunch disse...

"Artists to my mind are the real architects of change, and not the political legislators who implement change after the fact" b.