04 dezembro 2010

Persona


"....é através da máscara que o indíviduo adquire um papel e uma identidade social. Assim, em Roma, cada indivíduo era identificado por um nome que exprimia a sua pertença a uma gens, a uma estirpe, mas esta era, por sua vez, definida pela máscara de certo antepassado que cada família patrícia guardava no átrio da sua casa. Daqui a fazer da persona e da "personalidade" que define o lugar do indivíduo nos dramas e nos ritos da vida social, a distância é curta, e persona acabou por significar a capacidade jurídica e a dignidade política do homem livre. Quanto ao escravo, do mesmo modo que não tinha nem antepassados, nem máscara, nem nome, não podia também ter uma "pessoa" (...) A luta pelo reconhecimento é, portanto, luta por uma máscara."
in Nudez Giorgio Agamben, Relógio D'Água

( A capa do livro é má ...dos vários temas, li apenas uns excertos...fica alguma curiosidade. O filme, "Le Visage D'un Autre" de Hiroshi Teshigahara, estive a revê-lo.)

3 comentários:

vera. disse...

e dois impulsos vitais, o trágico e o cómico, também se manifestavam numa máscara. agora conservamos as máscaras, mas coladas ao rosto, de tal forma tangentes, que se tornaram indistintas. e a isso, acresce uma profanização confrangedora.

Anónimo disse...

A Máscara e tu....
Z.C

film-m k disse...

curioso, tenho uma frase em memória, de que gosto muito, mas esqueci de quem era:

"'persona' é a distância que vai do rosto à máscara"

às tantas é mesmo do agamben :)