08 dezembro 2005

A Christmas gift


All in the golden afternoon
Full leisurely we glide;
For both our oars, with little skill,
By little arms are plied,
While little hands make vain pretense
Our wanderings to guide.

(Ao longo da tarde dolente
Deslizamos calmamente,
Pequenos braços manobrando
Que remam sem convicção,
Pequenas mãos fugindo em vão
Ir nosso curso comandando.)

Ah, cruel Three! In such an hour,
Beneath such dreamy weather,
To beg a tale of breath too weak
To stir the tiniest feather!
Yet what can one poor voice avail
Against three tongues together?

(Ah, Tríade cruel! A esta hora,
Neste tempo de encantar,
Pedir uma história agora,
Sem ar para mover uma pluma;
Mas de que serve reclamar
Contra três vozes à uma?)


Imperious Prima flashes forth
Her edict to "begin it"--
In gentler tones Secunda hopes
"There will be nonsense in it"--
While Tertia interrupts the tale
Not more than once a minute.

(Grita a Prima petulante:
- Começemos sem demora!
A Secunda mais amena
Pede que haja disparate;
Enquanto a Tertia recomenda
Que a moderação se acate.)

Anon, to sudden silence won,
In fancy they pursue
The dream-child moving through a land
Of wonders wild and new,
In friendly chat with bird or beast--
And half believe it true.

(Então, num silêncio imprevisto,
Perseguem na imaginação
A criança de sonho vagueando
Num reino de maravilha sem par,
Com bestas e aves falando;
E quase chegam a acreditar.)
And ever, as the story drained
The wells of fancy dry,
And faintly strove that weary one
To put the subject by,
"The rest next time"--"It is next time!"
The happy voices cry.


(Mas os poços da fantasia
Acabam sempre por secar;
E o contador de histórias, cansado
Tentou escapar como podia;
_O resto amanhã; - Já é amanhã!
Gritaram as vozes com afã.)

Thus grew the tale of Wonderland:
Thus slowly, one by one,
Its quaint events were hammered out--
And now the tale is done,
And home we steer, a merry crew,
Beneath the setting sun.

(Assim nasceu a história do País das Maravilhas:
Assim, um por um, lentamente,
Se desfiaram seus estranhos eventos-
E agora a história acabou,
E remamos para casa alegremente
Debaixo do sol que baixou.)

Alice! a childish story take,
And with a gentle hand
Lay it where Childhood's dreams are twined
In Memory's mystic band,
Like pilgrim's withered wreath of flowers
Plucked in a far-off land.

(Alice! Uma história tão pueril!
E, com uma mão gentil,
Guardemo-la onde os sonhos de infância
Se enlaçam no coração da memória,
Como a murcha grinalda do viajante,
Colhida numa terra distante.)


Lewis Carrol, All In The Golden Afternoon (As Aventuras de Alice no País das Maravilhas e Alice do Outro lado do Espelho, versão traduzida por Margarida Vale de Gato, na Editora Relógio D'Água).


Prima, Secunda e Tertia seriam, segundo o biógrafo e escritor de livros infantis Roger Lancelyn Green, as três irmãs Lidell: Lorina, Alice e Edith, respectivamente.


As Aventuras de Alice no País das Maravilhas, originalmente As Aventuras de Alice Debaixo da Terra, são as histórias contadas e depois escritas e oferecidas por Charles Lutwidge Dodgson (Lewis Carroll), matemático e cónego da igreja de Cristo, a Alice. Podem ouvir a história e folhear cudadosamente o manucrito oferecido, aqui, página após página.

13 comentários:

Anónimo disse...

wonderful book.

Naked Lunch disse...

que os poços da fantasia não tenham fundo!

Jazzie disse...

Gostei muito.
A primeira cara de Alice...
podem ver as muitas que tem mesta morada:
http://intranet.dalton.org/ms/alice/

amie disse...

também já escrevi sobre o prazer que a british library nos proporcionou ao oferecer-nos a alice original digitalizada!muito bonito!

coolme disse...

gostei do presente de Natal

Anónimo disse...

"-- But you make no remark?"
"I -- I didn't know I had to make one -- just then," Alice faltered out.
"You should have said, 'It's extremely kind of you to tell me all this' -- however, we'll suppose it said."

B.B

Bill disse...

Está guardada!

Anónimo disse...

Obrigado merdinhas. Não conhecia o site. Beijos.
Clair

BlogProwler disse...

Gostei muito do desenho por trás da fotografia de Alice: como se o desenho fosse a alma da fotografia. E como Carroll a (re)veste, com as risquinhas e os grandes botões - como toma conta dela e se apropria dela.

Anónimo disse...

Estou muito atrasado mas passei por aqui e perdi-me.

abraço anónimo

M.M. disse...

"And once the world has lost its storyteller, it will have lost its childhood".

Bjs,

M.M.

Rainha de Copas disse...

Cortem-lhes a cabeça!

Anónimo disse...

A livraria tem livros soberbos!


Z. C.