04 janeiro 2006

Camponesas

"Mulher trabalhadora, 1929, Boris Eremeevich Vladimirski (1878 - 1950)


"Balkan Erotic Epic", 2005, Marina Abramovic (1946-)

30 comentários:

amie disse...

tudo à fresca é que é bom!:)

Naked Lunch disse...

gulp

Anónimo disse...

Le corps pour Marina Abramovic est "Un lieu de sacrifices et de
légendes. Je crée des situations sans intermédiaire entre l'artiste et
le public. La performance n'est pas une disparition, mais au contraire
une présence au monde. C'est une façon de renouer avec des cultes
primitifs et des rituels."

Camponesas?

Jacques D.

Jazz Manel disse...

Afinal aquilo que todos nós desejamos...é voltar às origens e viver no campo!...

Jazzie disse...

Gosto, gosto, gosto.
Gosto da redefinição de performance, do confronto, do jogo com o público, da ausência de palco.

1entre1000's disse...

Vejamos... na realidade são demasiados trapos para as senhoras viveram em perfeita comunhão com a natureza, como tal libertam-se...:D:D

Anónimo disse...

Sexualidade, tradição e beleza.


Z.C.

thê disse...

(ainda ping pong)são sem sombra de dúvidas dois refúgios, acima de tudo isso. um deles apenas porque estou cansada.

(volto mais tarde para oferecer um outro tipo de comentário)

Anónimo disse...

Tenho de pensar nas camponesas. Fiquei assim um bocado ...surpresa.
Vou saber mais.


Sicera Mente perturbada

Anónimo disse...

Dureza e erotismo.
Sacrificio e lenda. A velha camponesa e a assunção do corpo numa saia que se levanta pra todos os que olham ou transviam o olhar.

B.B.

celeman disse...

Leva-me este post a um de (junho 2005)sobre a performance "Gradual and persistent loss of control" baseada no trabalho de Schiele pela Dansgroep Kristina de Châtel e Marina Abramovic no Van Gogh Museum.Bela recordação.Fica bem

coolme disse...

Erótico e épico, sem dúvida.

disparosacidentais disse...

maravilhosa elipse.

Anónimo disse...

Parece mesmo a irmã do Zé Mangalho a arreganhar a lã...

um BOM amigo disse...

Oh Merdinhas eu sei que não apagas comentários. Mas ao menos responde. Responde a esse elefante anónimo com alma de varejeira e cérebro de barata.
A mãe dele é que não arreganhou bem a lã para aparecer um novelo desse calibre.

Sepirot disse...

De facto já cá faltava este "anónimo" que não vislumbra mesmo nada à frente. De varejeira não terá nada, que esse animal vê muito bem; de barata só se for na persistencia; elefante...coitado do elefante.

thê disse...

na realidade são iguais. a saia é a mesma, tem esse mesmo nome. mas o fundo é sempre diferente.

GhostBuster disse...

O anónimo em questão, o lanoso, não dará, também, pelo nome de Kim Prisu? Disponibilizei informação comprometedora em comentários ao post "Deconstructing Roy Lichtenstein". É só fazerem as vossas contas...

Bafo de Amor disse...

Não vale a pena fazer contas. Alguém é. E se ao Merdinhas se dá o direito de não se identificar porque é que não se respeita a leitura e a postura do anónimo?
São só comentários. Atrás do anónimo haverá um homem in...comodado com as camponesas.
E a irmã do Zé mangalho é uma bela mulher que já lhe arreganhou a lã. E ele até gostou. Eu gostava.
Abramovic para todos.

GhostBuster disse...

Não quer o amigo dizer às outras pessoas as contas a fazer, ou as linhas com que se cosam, pois não?
Se todos temos estado a supor e a perguntar se Merdinhas tem lãzinha daquela ou da outra, com relevos mais relevantes, porque é que não posso perguntar quem é o Prisu, sobretudo quando o Prisu, ao contrário de Merdinhas, que nunca nos disse nada sobre ele mesmo, afirma ser o que não é?
Abramovicha para si também.

Anónimo disse...

adoro ovelha bem tosqueada

O 1 Pastorinho disse...

Gostaria que apreciassem o meu trabalho de apropriação (fui eu que inventei a apropriação, em 1912, e chamei-lhe "pronto-a-fruir"), sobre a obra de Marina: Abramova-ma Se Fazes Favor.
Ainda estou a escrever o artigo sobre mim na "Wikipedia", quando o tiver pronto, deixarei indicações nos vossos blogs.
Obrigado pela atenção.
Pastor

Corifeu disse...

"Pastor inventou a pastorização do leite, foi, entre todos os que tiveram contactos imediatos de 3º grau com a Virgem, o único a levá-la para um motel e a conversar com Sto. Agostinho enquanto cortava as unhas dos pés. Em 1912, ao tropeçar num ancinho, nos jardins do Grand Hotel de Nice, teve a ideia de seleccionar objectos banais, propondo-os como obras de arte: se havia roupas "pronto-a-vestir", vendidas por catálogo, porque não uma arte "pronto-a-fruir"? Nasciam as primeiras apropriações da História da Arte Ocidental e subúrbios mais elegantes", Carlos Corifeu, Luís Pastor, Muito à Frente, Se Soubesse Para Onde Ia, no prelo, p. 6.

Anónimo disse...

Comentadores e apropriadores.

As performances de Marina Abramovic são sublimes.

Adepto

Anónimo disse...

E da outras lá a trás? Ninguem fala? Também são providas de lanzuda caracolada.

ZM

Anónimo disse...

a trás?! Fica gago porquê? Ou só não sabe escrever?


Z.C

Anónimo disse...

Com tanta lã deve ter ficado ga go.

M.M. disse...

Olá Merdinhas

Nada como a vida no campo.

P.S. O que é que queres, não me ocorreu mais nada... :-)

Anus Nimous disse...

ahhh!
bush gardens!

Anónimo disse...

OoOoOoOoOo Je Jeux,.....Je Jeux
Grande camponesa, grande farfalho!!!

Isto sim, isto é mulher trigueira e tesuda, cheia de tesão!!

Renascer assim é um prazer!!!

PIROCAMINHA ESTÁ DE VOLTA