25 janeiro 2006

Livro à Quarta II




"Já o título excessivo destas páginas proclama a sua natureza barroca (...). São o jogo irresponsável de um tímido que não ousou escrever contos e se distraíu a falsear e tergiversar (sem justificação estética algumas vezes) histórias alheias..."
J. L. B., prólogo da edição de 1954

"Os desta América
Destacado sobre um fundo de paredes celestes ou de céu alto, dois rufias cingidos em séria roupa negra bailam com sapatos de mulher numa dança solene, que é a das facas iguais, até que de uma orelha salta um cravo porque a faca entrou num homem, que fecha com a sua morte horizontal a dança sem música. Resignado o outro ajeita o chapéu e dedica a sua velhice à narração desse duelo tão puro. Essa é a história pormenorizada e total da nossa maldade. A dos dois homens de peleja em Nova Iorque é mais vertiginosa e mais infâme".
Jorge Luis Borges, História Universal da Infâmia

23 comentários:

Anónimo disse...

Olha saltou-me o livro do blog. Apareceu , desapareceu. Mas tenho-o na estante. Lido e a reler.

Z.C.

matarbustos disse...

Definitivamente, Jorge Luis Borges é um autor que quero ler! Que escrita!

sm disse...

Concordo!! É tb. um dos que quero ler!!

:)
Sandra

antimater disse...

Talvez o mais penetrante nos mistérios do ser.
Aquele que entrou realmente nos segredos do Tempo e da Menória.
O imortal Borges para quem os espelhos era seres que já não o podiam ver...
.o)

M.M. disse...

Olá!

Mais uma vez, que grande pontaria. Estas iniciativas são o máximo.
O Borges é um dos meus autores favoritos.
Bjs para ti.

Coolme disse...

Um livro à Quarta, um livro de e para sempre.

Naked Lunch disse...

às vezes faz um jogos com as palavras deliciosos. mas não conheço muito bem (um livro ou dois, já meio esquecidos na memória - esqueço-me de tudo com muita facilidade, releio livros e é como se os estivesse a ler pela primeira vez...)

macaso disse...

In a manner of speaking. Comecei-o a ler ao som desta música. Não podia ter começado melhor.

Jazz Manel disse...

Nunca li nada dele!...

nihil disse...

algo novo, conheço outros títulos dele, mas este nunca o tinha visto, obrigado pela dica!

Pecola disse...

Sou fã total. Recomendo o "Labyrinths"!

corpo visível disse...

.
o borges acompanha-me sempre!
.
e em especial isto, que tenho sempre presente:
.
és nuvem, és mar, és olvido
és também tudo aquilo que por ti
foi perdido
.

corpo visível disse...

.
sorry, mas não resisto (risos)
.
.
o telefone tocou na casa de henri cartier-bresson.

a voz pausada do outro lado da linha identificou-se como jorge luís borges.

o escritor argentino pedia ao fotógrafo francês que aceitasse a nomeação para um prémio artístico atribuído por uma rica siciliana, na condição de que fosse o galardoado anterior a indicar o seu sucessor.

porquê eu? preguntou bresson, sempre avesso à ribalta.

porque eu estou cego, respondeu borges, e nomeei-o em tributo aos seus olhos.
.

Yardbird disse...

O Borges é o expoente máximo da literatura universal. Só.

Anónimo disse...

Pois eu não quero ler o Borges!
Prefiro ler o jornal.
Anónimo das 22h47

Anónimo disse...

Pôrra! Já eram 22h50!
Anónimo das 22h52

Anónimo disse...

Desculpem lá! adiantei-me 1 min.
Não acerto uma. Vamos lá a ver agora.
Anónimo das 22h53

Anónimo disse...

Merda, acho que vou ler o Borges!
Anónimo sem relógio

antimater disse...

aleph...

Anónimo disse...

Ei Merdinhas

Passaste por mim como uma seta. Eu bem que buzinei...
beijos
Inês

Jazzie disse...

Livros de cabeceira. Borges.

Carlos Estroia disse...

Problemas reais e problemas imaginários. Borges era assim, um inventor de problemas.
Abraços

Marques disse...

Foi o primeiro livro dele que li, e não me lembro de nada... aqui está uma boa oportunidade para o reler. Obrigada pela sugestão.